Conteúdo comercial | 18+ | T&C's Aplicáveis

Vício em jogo

Ser responsável quando se joga é primordial. Mesmo que o jogo seja apenas um hobby, há sempre o perigo de se desenvolver o vício.

O vício pode ser adquirido por alguém sem mesmo ser percebido, ou pode provocar em sua vida um estrondo como um relâmpago num céu claro. No entanto, há uma série de sinais de perigo que você pode e deve estar ciente se você fica feliz em jogar. A seguir, descrevemos como esses sinais são percebidos e o que fazer se você ou alguém que conhece já caiu em caso de dependência.

Vencer no jogo produz endorfinas

Todos nós conhecemos a sensação das endorfinas que desaparecem pelo nosso corpo e nos deixam felizes da vida. As endorfinas são produzidas através de eventos felizes, performances físicas nos esportes e até mesmo artificialmente, se você tomar estimulantes de humor, como a cocaína. E quando você ganha em jogos, também produz endorfinas.

Ficar animado quando você ganha um jogo é natural. Mas o problema pode ocorrer quando você não ganha por um longo tempo. Como tudo o mais, há também jogos em que você não tem tanta sorte quanto tinha antes. Fases onde você não ganha e, portanto, não é recompensado com o sentimento inebriante das endorfinas.

É importante que, como jogador, você possa superar essas fases sem ficar desesperado pela próxima vitória – caso contrário, há um terreno fértil para um vício germinar.

Diferentes formas e fases no comportamento de jogo

Se um vício aparece pela primeira vez, é muito difícil curar, mas não é impossível. O que pode ajudar é prestar a atenção aos seguintes estágios de comportamento de jogo e ser consciente de sua própria conduta quando está jogando.

Pode-se dividir o comportamento de jogo em duas categorias:

  • Comportamento normal de jogo
  • Comportamento patológico do jogo (ludomania).

Os limites entre essas categorias podem ser difíceis de distinguir, mas se você mudou para uma conduta que tende a ser patológica, você frequentemente experimentará os seguintes comportamentos:

  • Frequentemente aposta em jogos de azar
  • Negligência contatos sociais em favor do jogo
  • Faz um intensivo trabalho mental sobre o jogo (táticas, planejamento de “tempo de jogo”, etc.)
  • Tem dificuldades de parar de jogar
  • Tenta compensar as perdas jogando ainda mais
  • Faz segredo ou negligência o próprio comportamento de jogo
  • Tem problemas financeiros
  • Contrai dívidas
  • Faz tentativas legais ou ilegais de arrecadar dinheiro
  • Apresenta mudanças na personalidade (inquietação, irritação, abstinência social)
  • Desenvolve doenças mentais acompanhantes (depressão, pensamentos suicidas, outras dependências como o álcool, drogas, etc.)

Além de estar ciente dos comportamentos normais e patológicos de jogo, você também deve saber que o vício se desenvolve em três fases: a fase do lucro, a fase da perda e a fase do desespero.

Fase do lucro

A fase de lucro é como se chama o período em que um jogador começa a apostar e talvez tenha a sorte de vencer.

A experiência de vencer dá ao jogador coragem e o faz jogar mais – e por dinheiro que ele ainda não tem. O ambiente de jogo torna-se parte integrante de sua vida e ele começa a jogar por valores cada vez mais altos, porque ele ainda não experimentou uma perda e, portanto, tem uma visão irrealista de jogar.

A fase da perda

Durante esta fase, o jogador usa uma grande quantidade de seu tempo jogando e se arriscando. Ele perdeu algumas vezes, mas ainda se esforça para ganhar o dinheiro que apostou. Assim surge um padrão muito frágil: para ganhar de volta o valor que perdeu, o jogador usa a maior parte de seu dinheiro para jogar e faz até mesmo empréstimos no banco ou com a família e amigos.

Nesta fase, no entanto, o jogador ainda consegue fazer pausas no jogo.

A fase do desespero

Se um jogador chegou a fase do desespero, isso significa que ele está, sim, desesperado. Ele não pode mais controlar seu comportamento de jogo, seja em tempo ou economicamente. Ele usa todo o dinheiro que tem para apostar e o “hobby” ultrapassa a sua vida social. Ele está mentindo para seus amigos e talvez até considerando ser um crime continuar jogando.

Não é anormal que, nessa fase, o jogador rejeite completamente o mundo exterior e experimente um sentimento de alienação em relação à família e aos amigos. Pensamentos suicidas também podem ocorrer nesta fase porque ele não vê outra saída do círculo maligno em que está.

Ajuda contra o vício em jogos

Felizmente, existem algumas opções para se tratar de um vício em jogos. Você pode ser tratado como paciente comum ou em um hospital se tiver uma necessidade urgente de ajuda. Demora cerca de cinco a nove semanas para se livrar da dependência do jogo caso o jogador esteja fazendo terapia intensiva, e se ele é tratado de forma ambulatorial, geralmente leva de seis a doze meses.

Na terapia, você se concentrará em alcançar o “núcleo do problema” – uma dependência de jogo geralmente cobre um outro mais profundo problema que se tentou esquecer jogando.

No entanto, o tratamento também trabalha sistematicamente com os sintomas viciantes, por exemplo, o paciente aprende a lidar com o ambiente de jogo e sua situação econômica de uma forma normal e saudável. A relação do paciente com o dinheiro tornou-se tipicamente distorcida e irrealista, e ele deve, portanto, aprender novamente a administrar suas próprias finanças.

Isso é uma parte importante da terapia pois conscientiza o paciente de que a felicidade – endorfina – pode ser produzida de outras maneiras que não seja jogando.

Bom conselho para controlar o vício

Uma vez que você foi relegado a jogar, é fácil voltar a jogar. Portanto, é recomendável que você, após uma sessão de terapia, fique completamente longe dos jogos. Claro, o melhor é ter um vício potencial sob controle. Aqui estão algumas dicas que são boas para seguir:

  • Defina um limite financeiro para o seu jogo. Planeje desde o início quanto dinheiro você quer gastar por dia, semana ou mês e siga esse plano.
  • Defina um limite de tempo: não gaste mais tempo jogando do que você decidiu desde o início – e de maneira nenhuma negligencie outras atividades sociais.
  • Sempre use o dinheiro, que você não pretende gastar em jogo, em outras coisas. O dinheiro que você joga deve ser visto como um orçamento especialmente atribuído ao seu hobby de jogos, e – embora tentador – não como um investimento que proporcionará lucro.
  • Programe intervalos em seu jogo: retorne à realidade regularmente. Nas fases de lucro, há um risco de desenvolver dependência, porque o centro de recompensa no cérebro é ativado e porque os altos ganhos geralmente levam à perda da consciência da real quantia apostada. O resultado pode ser uma aposta alta demais em um comportamento de jogo muito arriscado.
  • Leia regularmente a lista de conselhos contra o vício em jogos, verifique se está apresentando um comportamento de jogo patológico (sinais de ludomania) e, se necessário, tome as suas precauções.

Aqui você pode também obter ajuda e orientação:

JOGO RESPONSÁVEL